Review Anthem: 10 coisas que você precisa saber sobre o game

setembro 13, 2019

Anthem nos surpreendeu desde o inicio. Durante a E3 2017 fomos surpreendidos com o anúncio de Anthem, o novo jogo da BioWare com foco em exploração espacial a partir de uma pegada metade futurista, metade pós apocalíptica.

Devido a raridade desse tipo de jogo no mercado, a animação de todos chegou às alturas, ainda mais após a divulgação do primeiro gameplay, que contava com gráficos excepcionais.

Um mundo convidativo e vivo, no qual você deve combater diversos tipos de ameaças com o auxílio de seus amigos, pois além de todas as qualidades, ele também foi feito para uma experiência co-op.

Tendo seu lançamento previsto para 2018, muito começou a se especular sobre o jogo, até o anúncio de adiamento para o para fevereiro de 2019.

A principal dúvida de várias pessoas era se a BioWare conseguiria entregar uma experiência completa e funcional em um jogo com tantas funções como o que ela propunha.

Agora, sete meses após o lançamento do jogo, nós, da Gameforfun, iremos mostrar para você tudo que é necessário saber sobre Anthem, e tentaremos responder uma das principais perguntas que rodeiam o jogo: ele vale a pena?

Decidimos fazer nossa análise após um longo tempo de lançamento, zeramos 2 vezes o jogo. A primeira vez foi no PC logo na 1º semana de lançamento. A segunda fez foi depois do lançamento da DLC cataclisma.

Vista sua Javelim, fique comigo nesse artigo e embarque no mundo de Anthem.

O que é Anthem?

Anthem Review 3

Anthem é um jogo de RPG de ação multiplayer, desenvolvido pela BioWare e publicado pela EA Games, o jogo foi lançado em 22 de fevereiro de 2019.

Em Anthem, você assumirá o papel de um Freelancer, um combatente que aceitará contratos pelo mundo para acabar com determinadas ameaças, dividindo sua exploração em duas regiões.

A primeira será uma experiência em primeira pessoa totalmente single-player na base de seu personagem, chamada Forte Tarsis.

A segunda se dará pela exploração do mundo aberto do jogo, nos exoesqueletos pilotados por você denominados de Javelins (ou Lanças, em português, mas manteremos o nome em inglês nesse artigo para evitar confusões).

Explicar o jogo é algo complicado, pois ele contém não apenas uma lore extremamente rica e profunda, como também muitas possibilidades de gameplay, além de vários recursos e aprimoramentos gráficos disponíveis, dependendo da sua plataforma de jogo.

Vamos adiante destrinchar tudo sobre o mundo fantástico que a BioWare se trouxe para nós em Anthem.

Eu sou o Homem de Ferro?

Anthem Review

O principal atrativo de Anthem está, sem dúvidas, na exploração que você fará no mundo do jogo, chamado de Bastion.

Ele é cheio de maravilhas e principalmente perigos dos mais variados tipos, desde as ameaças selvagens até o perigoso grupo de vilões Dominions, que farão o papel de principais antagonistas do jogo.

Para sobreviver a todos esses perigos, obviamente você deve estar bastante preparado, e é aí que entram os Javelins.

Estes são exoesqueletos que servem de armadura para você explorar o mundo e combater os inimigos, te dando, independente da classe que você escolher, a capacidade de voar, algo que lembra muito o herói vivido por Robert Downey Jr. nos cinemas.

Os controles de voo são bastante responsivos, os movimentos são orgânicos e é extremamente prazeroso dar voltas pelo mundo voando.

Um fator que é importante realçar é que o Javelin, se voar durante muito tempo, irá superaquecer e cair, algo que pode ser contornado com melhorias que você obterá durante o gameplay.

Embora essa restrição possa parecer um inconveniente, ela na verdade se provou muito útil para estimular que o gameplay ocorra de maneira versátil, fazendo você transitar entre terra e ar com frequência e encoraja o uso de raciocínio do jogador para criar estratégias viáveis de exploração e combate.

As Classes de Anthem

Anthem Review

O voo é a única experiência em comum que os Javelins tem, pois suas classes e aparências não poderiam ser mais diversificadas.

Elas são: o Patrulheiro, o Colosso, o Interceptador e a Tempestade.

Cada uma foi imaginada para ter uma função específica no campo de batalha, e o ideal em uma partida multiplayer é que todas as diferentes classes estejam presentes, ainda que esse não seja um pré-requisito de Anthem.

O Patrulheiro

É a mais versátil das armaduras, funcionando como o clássico personagem padrão dos jogos de RPG.

Entretanto, ela não é de longe nem um pouco entediante como as classes comuns tendem a ser nesse estilo de jogo, e tem o potencial de se tornar a favorita dos jogadores.

Conta com granadas e lança-mísseis, além de um poderoso bastão de choque para o combate mano-a-mano, prometendo um grande estrago no campo de batalha.

O Colosso

É a menos discreta, porém a mais resistente das Javelins, servindo de tanque de guerra para seu time enfrentar os inimigos.

Seu poder de fogo é enorme, e é a única lança que utiliza de tipos de armas diferentes, devido ao seu tamanho massivo.

Ainda que lenta, é ideal para estar na linha de frente atingindo os inimigos com seu lança-chamas, seus morteiros e seus canhões, enquanto se protege do estrago com seu escudo.

O Interceptor

É a mais ágil de todos os Javelins, sendo ideal para atacar os inimigos e sumir antes que eles percebam.

Toda essa rapidez e precisão compensam a resistência mais frágil dele, permitindo uma fuga sempre que necessário.

Ele tem um arsenal exclusivo diverso, podendo lançar granadas venenosas, shurikens e ataques espectrais, além de ter uma habilidade exclusiva que marca os inimigos e permite que seus aliados os causem mais dano.

É ideal para aqueles que preferem uma abordagem mais discreta e precisa.

A Tempestade

É o arcano do jogo, contando com ataques elementais que foram feitos para serem lançados a distância.

Por isso, também é a lança que contém o maior tempo de voo antes de superaquecer, permitindo que paire no campo de batalha lançando poderosos raios nos inimigos.

Além disso, enquanto voa, apresenta um escudo que aumenta sua resistência, permitindo que o estrago nos inimigos seja ainda maior.

Todos os Javelins estarão disponíveis para você jogar até o final do jogo, sendo que uma nova armadura poderá ser desbloqueada nos níveis 2, 12, 20 e 28. Escolha com sabedoria!

Multiplayer Co-Op

Anthem Review

Anthem foi criado pensando em uma experiência de jogo multiplayer, na qual você, com até três amigos, joga as missões, explora o mundo e completa áreas diversas.

Entretanto, ele também pode ser jogado sozinho, ainda que a dificuldade aumente, e o ganho de benefícios diminua, pois na experiência multiplayer os pontos de experiência são compartilhados.

Enquanto jogava o jogo, pude ver em que fatores a diversidade de Javelins se fazia necessária.

Não foram raras as vezes em que me peguei pensando: nossa, poderia ter um Colosso, ou um Interceptor, aqui, em uma equipe formada por apenas Patrulheiros e Tempestades.

Esse é, sem dúvida, um dos motivos para comprá-lo: Anthem estimula que você e seus amigos elaborem estratégias para derrotar os inimigos e completar as missões, além de fazer a comunicação ser uma peça-chave do jogo.

A experiência de ter que formular um plano e atribuir diversas funções para cada um dos jogadores está sensacional, e merece ser vivida.

A História de Anthem

Anthem Review

A história de Anthem ocorre no mundo de Bastion, um local inteiramente fictício criado pela BioWare para ambientar o jogo.

A empresa fez muito bonito aqui: a lore do jogo é riquíssima, profunda e diferente de tudo que vimos antes.

Para começar, a primeira referência que você encontra está no próprio título: Anthem (que é a palavra para Hino em inglês) se refere ao Hino da Criação, um poderoso recurso utilizado pelos deuses desse universo (chamados de Shapers) para moldar o mundo.

Por mais que nove dias fossem necessários para criar o mundo do jogo, chamado de Bastion, apenas três foram utilizados antes que algo misterioso desse errado, deixando o mundo no estado caótico em que se encontra durante o jogo.

Seu Freelancer é um membro do Forte Tarsis, um dos últimos refúgios conhecidos para a raça humana, e a história do jogo gira em volta da sua luta contra a organização militar conhecida como Domínio, que é liderada pelo principal antagonista do jogo, o Monitor, que busca controlar o Hino da Criação para ter poder sobre tudo e todos.

É interessante notar que, ainda que esse seja um jogo online, ele não perde o foco clássico da BioWare na história que será contada, apresentando um novo universo cheio de possibilidades que vale muito a pena ser explorado.

Anthem Review

Como de costume entre os jogos de RPG, Anthem dá ao jogador um certo nível de liberdade e autonomia para explorá-lo do jeito que você preferir.

A história é contada de uma maneira não-linear, o que significa que no momento em que quiser você pode dar uma pausa na narrativa principal e sair para explorar livremente o mundo ou realizar missões secundárias.

Além disso, você terá a possibilidade de escolher suas falas, ainda que seja apenas em determinados momentos dentro do Forte Tarsis.

De qualquer jeito, suas escolhas podem ter algum tipo de consequência em momentos futuros da sua gameplay, então tente não ser imprudente e escolha com sabedoria.

Suas armas também são de sua escolha, e elas variam entre cinco ou seis níveis de raridade, que incluem Comum, Incomum, Épico, Lendário.

Você tem até dois slots de armas para preencher, além de espaços para as suas habilidades especiais, que irão variar de acordo com a classe de Javelin que você escolher.

Por fim, a personalização de aparência está bem completa aqui, com o jogador podendo escolher dentre variações de cabeça, torso, braços e pernas para equipar seu Javelin, além de uma grande gama de cores e texturas para pintá-lo.

Cinco diferentes pre-saves estão disponíveis para cada Javelin, com armas, habilidades e aparências pré-selecionadas por você para se adequar ao seu estilo de jogo.

Os gráficos de Anthem

Anthem Review 3

Anthem é um jogo graficamente maravilhoso. Quando foi revelado, contava com gráficos de cair o queixo, e na versão final, apesar do downgrade habitual de todos os jogos, continua muito bonito.

As paisagens do jogo são lindas, e oferecem uma sensação ao mesmo tempo convidativa e ameaçadora.

As texturas estão bem sólidas, e os detalhes muito bem trabalhados. Seja nos 1080p dos Xbox e PS4 originais, ou no 4K do Xbox One X, o jogo vai maravilhar você, sem dúvidas te levando a simplesmente voar por aí para apreciar o mundo de Bastion.

Anthem roda em 60fps no PC, e há uma trava de 30fps para o PS4 Pro e para o Xbox One X, apesar de que revisões futuras podem removê-la.

Obviamente decretar que o jogo roda sempre em 60 FPS no PC é uma ingenuidade, existem uma centena de requisitos que podem atrapalhar a sua experiência com Anthem no PC, nesse sentido, a versão do Xbox One X é a mais estável de todas, e posso dizer sem medo que o Xbox One X é o melhor lugar para jogar Anthem.

Eu zerei Anthem no Xbox One e no PC (Jogando no Ultra) e posso garantir para você que a experiência gráfica de Anthem está entre as mais incríveis dessa geração.

End Game

Anthem Review

Aqui está o calcanhar de Aquiles de Anthem, o conteúdo programado para o final do jogo era muito promissor.

Após a conclusão da história principal, o jogo continuará com missões secundárias e com bases perigosas que você e seus amigos devem encarar a fim de completar o jogo em 100%.

Essas bases, as Fortalezas, estão espalhadas pelo mapa e devem ser concluídas obrigatoriamente com quatro jogadores, dado o seu nível de dificuldade, e apresentam desafios especiais e bosses únicos e perigosos.

Além disso, a BioWare afirmou que não tem o interesse em fragmentar a comunidade com expansões, logo, o conteúdo pós-lançamento será gratuito.

Não existe PVP em Anthem, e na época do lançamento existiam planos para o lançamento desse modo no decorrer do tempo, mas…

Como eu disse, o “End Game” é o ponto mais crítico de Anthem, depois da avalanche de reviews negativos que acabaram com a reputação do game, a Bioware decidiu se retirar de cena e trabalhar em silêncio para melhorar os pontos mais críticos do jogo.

Anthem, o que foi que deu errado?

Review Anthem

Eu não tenho qualquer intenção de passar pano para os erros de Anthem, apensar de ter um dos gameplays mais divertidos dos últimos anos, uma das histórias mais densas de jogos Loot Shooter e os gráficos mais bonitos que eu já vi, Anthem tem alguns problemas sérios.

Descartando as questões de performance no PC, que como eu disse, podem ser influênciada por diversos fatores, o maior problema de Anthem está no coração de um jogo de Loot Shoter, e é o Loot.

Anthem tem uma das piores experiências no sentido de ganhar novos itens, apesar de ter um numero grande de armas elas são, no geral, todas muito parecidas.

Digo visualmente, é realmente triste ver que a Bioware não teve o tempo necessário para se dedicar ao loot de Anthem, isso não seria um problema se esse fosse apenas um jogo de aventura, mas é um Loot Shooter.

Quando você compra um jogo desse tipo você está esperando ganhar muitos itens de armadura, novas armas, shaders etc…

Nesse sentido a Bioware errou feito, talvez a pouca experiência da empresa nesse tipo de jogo tenha feito ela perder o foco no loot e colocar mais energia e trabalho nos outros pontos que eu dei como destaque no decorrer desse texto.

Seja como for, esse é um problema que deveria ser fácil de resolver para a Bioware, infelizmente, os péssimos reviews feitos por péssimos influênciadores e veículos do ramo mataram as energias da Bioware e o futuro de Anthem é realmente preocupante.

Recentemente Anthem lançou uma expansão chamada “O Cataclisma”, infelizmente ainda não tive tempo para jogar essa expansão e trazer as minhas impressões sobre ela para você.

Quem sabe no futuro eu faça isso e conte o que eu achei dessa expansão de Anthem.

Anthem vale a pena?

Anthem-Review

Se você jogou Anthem no lançamento, talvez você tenha a mesma impressão que eu tive, Anthem é um jogo lindo que entrega uma experiência espetacular durante a campanha do game.

O grande problema de Anthem é quando a campanha termina, nessa hora o jogo perde um pouco sua função e tem uma grande chance de ser encostado.

A pergunta que fica é: O que é mais importante? A jornada até um lugar ou a chegada a esse lugar?

Se a sua resposta for a primeira opção, Anthem é um jogo para você, as primeiras 20 horas do jogo são incríveis e deveriam ser jogadas por qualquer gamer de verdade.

Agora se a sua resposta for a segunda opção, infelizmente Anthem não é para você, nesse sentido, outros jogos como The Division 2 e Destiny 2 podem te agradar mais.

Para mim Anthem teria tudo para levar nota 10 se não fosse a questão do “End Game” por esse motivo, 8.0 é a nota que Anthem ganhou no meu Review.

Nota

Anthem é um jogo muito melhor do que foi “pintado” pela mídia especializada, nem por isso da para negar os erros da Bioware em Anthem.

PS: Anthem não é dublado nem legendado em Pt-Br por isso não teve nota.

História
90 Pts
Jogabilidade
100 Pts
Gráficos
100 Pts
Dublagem
0 Pts
Vida útil do Jogo
50 Pts
Performance e Bugs
80 Pts

Indique para seus amigos

Compartilhe
Compartilhe
Compartilhe
Compartilhe
Picture of Lucas Marçal

Lucas Marçal

Lucas Marçal, tambem conhecido como Luke Vader é CEO do Gameforfun. Youtuber e nas horas vagas gasta o tempo jogando.

Faça sua busca